110 visualizações

Política

maio 23, 2021

O Espiritismo respeita todas as instituições governamentais, porque considera que originariamente foram criadas com o fim de proporcionar bem-estar ao povo. Se essa finalidade maior em algum momento foi deturpada, ou ainda está sendo, pelos que ocupam os cargos públicos, nem por isso a instituição em si mesma deve ser descartada, porquanto o modelo democrático é o que mais corresponde aos ideais cristãos.

Não cabe à Doutrina Espírita qualquer intromissão direta nos destinos políticos do Brasil e nem nos conflitos populares, porque essas questões, às vezes tão intricadas e de difícil solução, são de responsabilidade das autoridades constituídas.

Preocupa-se o Espiritismo em oferecer ao homem um estilo de vida baseado nos ensinamentos de Jesus, que em síntese são fundamentados no amor ao próximo, na fraternidade universal e na solidariedade. E nesse objetivo não há lugar para opção por ricos ou pobres, por criminosos ou vítimas, por governantes ou governados, porque perante Deus todos somos iguais. Aflitos, desesperados e sofredores espalham-se por todas as classes sociais, variando as circunstancias e a natureza, mas na essência a dor é a mesma.

Não se pode fazer distinção entre aqueles que buscam o consolo na religião, assim como o médico não pode se negar a salvar a vida do criminoso ferido que lhe chega às mãos. Há males do corpo e males da alma, estes muito piores do que aqueles. E se a medicina cura o corpo, a religião deve se preocupar primordialmente em curar a alma.

Aliás, a doutrina revive o Cristo quando disse que não veio para os sãos, mas sim para os doentes.

Obviamente que não se pode pactuar com o erro, mas o criminoso merece sempre o nosso socorro e orientação, para que não venha a incorrer novamente no crime. Segundo o Evangelho, há mais alegria no céu por um pecador arrependido do que por noventa e nove justos que não precisam de arrependimento (Lucas, 15:7).

O Espiritismo, assim, não tem quaisquer pretensões ao poder temporal e falível dos homens, e sua mensagem consoladora é dirigida essencialmente ao coração e à mente da criatura.

Lemos certa vez a história sobre determinado jornalista que pretendia escrever uma crônica, mas não conseguia porque o pequeno filho andava de bicicleta ao seu redor. Para conseguir silêncio, deu ao filho um quebra-cabeça do mapa-múndi, imaginando que com isso ele ficaria entretido por um bom tempo, face à dificuldade de se identificar os países. Foi grande a sua surpresa quando logo o filho terminou de montar. Mais surpreso ainda ficou com a resposta do pequeno: foi fácil, atrás do mapa havia o corpo de um homem; montei o homem e o mapa apareceu.

Então o jornalista escreveu o seu melhor artigo, falando sobre como o mundo pode ser mudado se o homem se modifica.

Não obstante, o espírita não é impedido de iniciar-se na vida pública, se para isso tiver inclinação. Poderá ocupar cargos e funções de relevo na sociedade. Imperioso, porém, que seja forte o bastante na sua convicção cristã, tornando-se um servidor do povo e não se deixando corromper pelas vaidades e facilidades do poder, pois do contrário estará assumindo imensas responsabilidades perante a Justiça Divina.

Donizete Pinheiro

Nota do editor:
Imagem ilustrativa e em destaque disponível em <https://cafecomkardec.com.br/home/espiritismo-e-politica/>. Acesso em: 23MAI2021.

Donizete Aparecido Pinheiro da Silveira
Donizete Aparecido Pinheiro da Silveira

Escritor, editor do periódico Ação Espírita, diretor de doutrina do Grupo Espírita Jesus de Nazaré, em Marília, SP.

Deixe aqui seu comentário:

Divulgue seu evento conosco.
É rápido, fácil e totalmente gratuito!

+ Clique e saiba como