Página InicialTextos EspíritasOs médiuns

47 visualizações

Os médiuns

março 27, 2021

É fato inconteste que a mediunidade sempre existiu, não foi invenção do Espiritismo, a Doutrina não criou este princípio de Deus. Esta lei divina permite aos Espíritos encarnados estabelecer comunicação, através de diversas modalidades, com os Espíritos desencarnados.

Em consequência, médiuns sempre os houve, contudo, de modo geral foram vistos como indivíduos que, por conta de suas faculdades, estabeleciam contato com forças ditas diabólicas, sendo, por isto mesmo, muitas vezes martirizados, literalmente queimados em fogueiras ou tidos como loucos e internados em hospícios.

Assim se sucedeu, antes do advento da Doutrina dos Espíritos, pois, com a publicação da segunda obra fundamental – O livro dos médiuns -, Allan Kardec, através de experimentos e contatos com inúmeras entidades do plano etéreo, construiu um tratado sobre esta faculdade, onde estabeleceu os seus postulados, as leis que regem os fenômenos mediúnicos. Além disso, estruturou a forma como os médiuns podem se conduzir na prática desta misericordiosa lei celestial, permitindo a todos aqueles ainda vivendo a experiência física, entrar em contato, através destes médiuns, com seus entes queridos, os chamados “mortos”, contudo, ainda muito vivos.

É a mediunidade também que permite receber orientações através de mensagens dos Espíritos mais esclarecidos, tão importantes para orientar o progresso da Humanidade.

O Codificador abordou a temática da mediunidade em outras obras, como na terceira publicação fundamental – O evangelho segundo o espiritismo -, quando tratou da Parábola da Figueira que Secou, e, desta obra, retiramos para o leitor, um especial comentário referente aos médiuns, uma advertência relacionada ao exercício desta luminosa faculdade:

“Os médiuns são os intérpretes dos Espíritos; suprem, nestes últimos, a falta de órgãos materiais pelos quais transmitam suas instruções. Daí vem o serem dotados de faculdades para esse efeito. Nos tempos atuais, de renovação social, cabe-lhes uma missão especialíssima; são árvores destinadas a fornecer alimento espiritual a seus irmãos; multiplicam- se em número, para que abunde o alimento; há-os por toda a parte, em todos os países, em todas as classes da sociedade, entre os ricos e os pobres, entre os grandes e os pequenos, a fim de que em nenhum ponto faltem e a fim de ficar demonstrado aos homens que todos são chamados. Se, porém, eles desviam do objetivo providencial a preciosa faculdade que lhes foi concedida, se a empregam em coisas fúteis ou prejudiciais, se a põem a serviço dos interesses mundanos, se em vez de frutos sazonados dão maus frutos, se se recusam a utilizá-la em benefício dos outros, se nenhum proveito tiram dela para si mesmos, melhorando-se, são quais a figueira estéril.

Deus lhes retirará um dom que se tornou inútil neles: a semente que não sabem fazer que frutifique, e consentirá que se tornem presas dos Espíritos maus.”(1)

Observa-se que, em poucas palavras, Allan Kardec sintetizou a função dos médiuns na sociedade e, apontou a grave consequência para aqueles que não se conduzem adequadamente no desempenho de suas missões: a perda da faculdade e o consequente assédio dos Espíritos ignorantes e desequilibrados, os chamados obsessores.

Entre outros indicadores aos que procuram médiuns para receber notícias dos entes amados, por exemplo, nas atividades de Cartas Consoladoras, estejam sempre atentos a questão financeira, pois, a mediunidade é concedida por Deus gratuitamente, portanto, deve ser executada igualmente sem visar nenhum fim lucrativo.

Por último, destacamos que os médiuns são pessoas comuns, não foram privilegiados por Deus, por qualquer motivo, muito pelo contrário, são almas muito endividadas que receberam uma particular missão, à qual deverão prestar contas do emprego desta faculdade após o término desta existência.

Rogério Miguez

Referências:

(1)KARDEC, Allan. O evangelho segundo o espiritismo. Trad. Guillon Ribeiro. Brasília: FEB. cap. XIX. item 10.

Nota do Editor:
Imagem ilustrativa e em destaque disponível em <https://aeev.org/mediunidade/>. Acesso em: 27MAR2021.

Rogério Miguez
Rogério Miguez

Trabalhador da Doutrina Espírita desde a Mocidade, tendo atuado no estado de Rio de Janeiro em algumas Casas e, atualmente, em São José dos Campos/SP nos Centros Amor e Caridade, Jacob e Divino Mestre. Colabora em Cursos, Exposições, Atendimento Fraterno e Passes, sendo articulista dos periódicos Reformador e Revista Internacional de Espiritismo.

Deixe aqui seu comentário:

Divulgue seu evento conosco.
É rápido, fácil e totalmente gratuito!

+ Clique e saiba como