Página InicialPara além da Porteira

214 visualizações

Para além da Porteira

maio 24, 2020

Túu-Túu-Túuu- Ressoava novamente lá pras bandas de Ouro Fino, no Estado de Minas Gerais, o brado daquele berrante. Instrumento imponente, de chamar gado e gente, cortava com sua nota dissonante vales e serras, anunciando a novidade daquela manhã.

O vaqueiro, que em outros tempos ficara desolado com a súbita partida do menino, vítima de um boi sem coração, via agora a sua vida se esvair. O tempo, implacável, levava as forças daquele corpanzil que conduziu boiadas mil pelo nosso Brasil, somando-se mais uma cruz a do menino no antigo estradão.

Olhando perdido para todos os lados, já confuso entre os portões da vida e da morte, o velho boiadeiro somente consegue distinguir no dourado do horizonte o som daquele berrante que ele jurara jamais tocar novamente. Som que ele há muito não ouvia e que lhe trazia no coração as lembranças do menino tão trigueiro, que abria a porteira para a sua boiada passar.

À medida que o som se aproximava, via surgir um pequeno jovem de cor de ébano, cavalgando bela montaria, tocando berrante em meio de uma imensa boiada. O vaqueiro, em um misto de alegria e de espanto, pergunta com sua voz de trovão ao jovem anjo:

“-Quem é você, que como eu conduz o gado? Por que toca esse berrante que jurei jamais tocar?”

O menino apeia do cavalo, tira o seu chapéu para cumprimentar o boiadeiro. De seu bolso, tira uma moeda, entrega ao boiadeiro, juntamente com seu berrante.

“-Boiadeiro, que Deus vá lhe acompanhando! Eu sou aquele menino da porteira e estou aqui para te receber, nas portas do país da luz. Seja bem-vindo! Siga agora para amealhar outros rebanhos, para tocar outra vez com fé o teu berrante…”

E com as mãos firmes, apagada da memória a cruzinha do estradão, o boiadeiro toma de novo o seu berrante que prometera jamais tocar e com novo ar em seus pulmões, corta com sua nota dissonante vales e serras, anunciando a novidade daquela manhã

Túu-Túu-Túuu

Marcus Vinícius de Azevedo Braga

Nota do autor:
Texto inspirado na famosa música do cancioneiro popular “O menino da porteira” (1955), sucesso na voz do cantor Sérgio Reis, composição de Teddy Vieira / Luizinho, transformada em filme homônimo em 2009, pela direção de Jeremias Moreira, existindo também uma versão em 1977.

Nota do editor:
Imagem ilustrativa e em destaque disponível em <https://recordtv.r7.com/domingo-espetacular/videos/menino-da-porteira-atrai-visitantes-a-ouro-fino-mas-sera-que-ele-realmente-existiu-14092018 >. Acesso em: 24MAI2020.

Marcus Vinicius de Azevedo Braga
Marcus Vinicius de Azevedo Braga

Residindo atualmente na cidade do Rio de Janeiro, espírita desde 1990, atua no movimento espírita na evangelização infantil, sendo também expositor. É colaborador assíduo do jornal Correio Espírita (RJ) e da revista eletrônica O Consolador (Paraná). É autor do livro Alegria de Servir (2001), publicado pela Federação Espírita Brasileira (FEB) e do Livro "Você sabe quem viu Jesus nascer" (2013), editado pela Editora Virtual O Consolador.

Deixe aqui seu comentário:

Divulgue seu evento conosco.
É rápido, fácil e totalmente gratuito!

+ Clique e saiba como