Página InicialTextos EspíritasAlegrias tristes

153 visualizações

Alegrias tristes

setembro 17, 2019

“Sofre hoje o que te falta, adquirindo a paz para amanhã, ao invés de adquirir estranha conquista para agora, que te amargará os dias do porvir.” Joanna de Ângelis

Por paradoxal que possa parecer à primeira vista, existem alegrias tristes… Ajaezadas pelas guirlandas das ilusões e ouropéis, costumam essas “alegrias” prender-nos em calvários de dores inenarráveis.

André Luiz recomenda o exame cuidadoso de nossas alegrias, pois só é verdadeira aquela que também continua sendo alegria mais tarde.

Allan Kardec assevera : (2)

“(…) para que cada qual trabalhe na sua purificação, reprima as más tendências e domine as paixões, preciso se faz que abdique das vantagens imediatas em prol do futuro, visto como, para identificar-se com a vida espiritual, encaminhando para ela todas as aspirações e preferindo-a à vida terrena, não basta crer, mas compreender. Devemos considerar essa vida debaixo de um ponto de vista que satisfaça ao mesmo tempo à razão, à lógica, ao bom senso e ao conceito em que temos a grandeza, a bondade e a justiça de Deus”.

Parecendo oferecer-nos paradoxos, Delfina de Girardin declara : (3)

“infelicidade é a alegria, é o prazer, é o tumulto, é a vã agitação, é a satisfação louca da vaidade, que fazem calar a consciência, que comprimem a ação do pensamento, que atordoam o homem com relação ao seu futuro…
Esperai, vós que chorais! Tremei, vós que rides, pois que o vosso corpo está satisfeito! As provações, credoras impiedosas vos espreitam o repouso ilusório, para vos imergir de súbito na agonia verdadeira da infelicidade, daquela que surpreende a Alma amolentada, pela indiferença e pelo egoísmo”.

Alerta-nos Joanna de Ângelis: (1)

“(…) não te facultes a fixação das ideias que te turbem a lucidez, que te alegrem-entristecendo, dando-te e retirando-te o prazer e ameaçando a tua estrutura emocional, disfarçada nas promessas de prazeres que não fruirás, e, mesmo que os logres, passarão, deixando-te varado de dor, fulminado pelo desencanto ou esmagado pelo arrependimento”.

Conta-nos Erasto (4), discípulo de Paulo, que Santo Agostinho, quando entregue aos maiores excessos, sentiu em sua alma aquela singular vibração que o fez voltar a si e compreender que a felicidade estava alhures, que não nos prazeres enervantes e fugitivos; tornando-se, desde então, um dos mais fortes sustentáculos do Evangelho.

Conclui o Mestre Lionês : (5)

“(…) a humanidade, tanto quanto as estrelas do firmamento, perdem-se na imensidade. Grandes e pequenos estão confundidos, como formigas sobre um montículo de terra; proletários e potentados são da mesma estatura, e é lamentável que criaturas a tantas canseiras se entreguem para conquistar um lugar que tão pouco as elevará e que por tão pouco tempo conservarão.

A importância dada aos bens terrenos está sempre em razão inversa da fé na vida futura”.

Rogério Coelho

Referências Bibliográficas:
(1) FRANCO, Divaldo. Vigilância. 2.ed.2002, Salvador: LEAL, cap. 17;
(2) KARDEC, Allan. O Céu e o Inferno. 51.ed.Rio de Janeiro: FEB, 2002, 2ª parte – Capítulo I, item 14;
(3) KARDEC, Allan. O Evangelho Seg. o Espiritismo. 121.ed. Rio de Janeiro: FEB, 2003, cap. V, item 24;
(4) KARDEC, Allan. O Evangelho Seg. o Espiritismo. 121.ed. Rio de Janeiro:FEB, 2003, cap. I, item 11;
(5) Idem ibidem cap. II, item 5.

Rogério Coelho
Rogério Coelho

Rogério Coelho nasceu na cidade de Manhuaçu, Zona da Mata do Estado de Minas Gerais onde reside atualmente. Filho de Custódio de Souza Coelho e Angelina Coelho. Formado em Jornalismo pela Faculdade de Minas da cidade de Muriaé – MG, é funcionário aposentado do Banco do Brasil. Converteu-se ao Espiritismo em outubro de 1978, marcando, desde então, sua presença em vários periódicos espíritas. Já realizou seminários e conferências em várias cidades brasileiras. Participou do Congresso Espírita Mundial em Portugal com a tese: “III Milênio, Finalmente a Fronteira”, e no II Congresso Espírita Espanhol em Madrid, com o trabalho: “Materialistas e Incrédulos, como Abordá-los?” Participou da fundação de várias casas Espíritas na Zona da Mata Mineira.

Deixe aqui seu comentário:

Divulgue seu evento conosco.
É rápido, fácil e totalmente gratuito!

+ Clique e saiba como