Página InicialTextos EspíritasA Mediunidade nossa de cada dia

127 visualizações

A Mediunidade nossa de cada dia

novembro 8, 2017

Desde a recomendação do Senhor Jesus – Vigiai e orai, para que não entreis em tentação (1) – ficou muito claro que a responsabilidade pela sintonia espiritual é particular a cada um de nós.

Allan Kardec, em O Livro dos Espíritos, elucida o mecanismo de interação entre encarnados e desencarnados:

“Os Espíritos podem conhecer nossos mais secretos pensamentos?

– Frequentemente conhecem o que gostaríeis de esconder de vós mesmos. Nem atos, nem pensamentos lhes podem ser ocultados”. (2)

Dessa maneira, o espírito desencarnado, em conhecendo nossos pensamentos, pode nos influenciar a partir do interesse que tenha naquilo que se passa em nosso mundo mental, e a partir daí, por sintonia, pode nos influenciar o comportamento, conforme esclarecem os Benfeitores Espirituais, também em O Livro dos Espíritos, sobrepondo sua vontade sobre a nossa:

“Os Espíritos influem sobre nossos pensamentos e ações?

– A esse respeito, sua influência é maior do que podeis imaginar. Muitas vezes são eles que vos dirigem”. (3)

Por invigilância nossa, mas sempre de acordo com nossas vontades e pensamentos, os espíritos desencarnados nos conduzem, desde a mais simples influenciação ao mais profundo processo de subjugação mental e física.

Estudando o assunto, Emmanuel, o Grande Benfeitor espiritual que conduziu o apostolado de Francisco Cândido Xavier, ditou ao Grande Médium o livro Mediunidade e Sintonia, de onde extraímos o capítulo de número três, intitulado “Examina o teu Desejo”, para nosso esclarecimento:

“Mediunidade é instrumento vibrátil e cada criatura consciente pode sintonizá-lo com o objetivo que procura.

Médium, por essa razão, não será somente aquele que se desgasta no intercâmbio entre os vivos da Terra e os vivos da Espiritualidade.

* Cada pessoa é instrumento vivo dessa ou daquela realização, segundo o tipo de luta a que se subordina.

* “Acharás o que buscas” – ensina o Evangelho, e podemos acrescentar – “farás o que desejas.

Assim sendo, se te relegas à maledicência, em breve te constituirás em veículo dos gênios infelizes que se dedicam à injúria e à crueldade.

* Se te deténs na caça ao prazer dos sentidos, cedo te converterás no intérprete das inteligências magnetizadas pelos vícios de variada expressão.

* Se te confias à pretensa superioridade, sob a embriaguez dos valores intelectuais mal aplicados, em pouco tempo te farás canal de insensatez e loucura.

* Todavia, se te empenhas na boa vontade para com os semelhantes, imperceptivelmente terás o coração impelido pelos mensageiros do Eterno Bem ao serviço que possas desempenhar na construção da felicidade comum.

* Observa o próprio rumo para que não te surjam problemas de companhia.

* Desce à animalidade e encontrarás a extensa multidão daqueles que te acompanham com propósitos escuros, na retaguarda.

* Eleva-te no aperfeiçoamento próprio e caminharás de espírito bafejado pelo concurso daqueles pioneiros da evolução que te precederam na jornada de luz, guiando-te as aspirações para as vitórias da alma.

* Examina os teus desejos e vigia os próprios pensamentos, porque onde situares o coração aí a vida te aguardará com as asas do bem ou com as algemas do mal”. (4)

Pensemos nisso.

Antônio Carlos Navarro

Referências:
(1) Mt 26:41;
(2) O Livro dos Espíritos, item 457;
(3) O Livro dos Espíritos, item 459;
(4) Mediunidade e Sintonia, Francisco C. Xavier – Emmanuel, cap. 3.

Antônio Carlos Navarro
Antônio Carlos Navarro

Estudioso e palestrante espírita. Trabalhador do Centro Espírita Francisco Cândido Xavier em São José do Rio Preto - SP

Deixe aqui seu comentário:

Divulgue seu evento conosco.
É rápido, fácil e totalmente gratuito!

+ Clique e saiba como