87 visualizações

Destino

fevereiro 9, 2016

joao-gubolin1O que é o destino? Esta palavra tão complexa e ambígua que registra a existência de um ser. Há quem diga que seu destino é muito cruel. Outro diz que está satisfeito! Porém, existem mais pessoas reclamando do que alegando serem felizes. Mas por que é tão inconstante e desigual esse tal destino?

O dicionário o descreve como uma sucessão de fatos que podem ou não ocorrer, e que constituem a vida do homem, considerados como resultantes de causas independentes de sua vontade, sorte, fortuna, aquilo que acontecerá a alguém, futuro, fim ou objeto para que se reserve ou designe alguma coisa, aplicação, emprego, lugar onde se dirige alguém ou algo, direção.

A verdade é universal e não está com uma só pessoa. Cada um está em seu estágio de evolução, portanto, somos desiguais.

Como parte integrante do universo, um dia, viemos para o Planeta Terra portando bagagem que, na maioria das vezes, ostenta resquícios de imperfeição, a mais provável, já que estamos num mundo de provas e expiações.

Independente de um fator ou de outro aqui estamos para evoluir, mas pode ocorrer de ficarmos estacionados, sem progresso, por conta de nosso comportamento ocioso ou atitudes reprováveis pela justiça, pela razão, ou ainda, de fatores alheios a nossa vontade, que passam despercebidos aos nossos órgãos sensitivos. E isso vai moldando nosso “destino”.

Todos nós temos vontades e desejos que impulsionam nossa vida para melhor ou pior, e dependendo de nossas preferências, inclusive, pelos prazeres efêmeros, iniciam-se os vícios, dentre eles: da gula, do fumo, das drogas, do sexo em demasia, dos jogos de azar e muitos outros. Às vezes, não damos importância e nem percebemos que eles estão prejudicando nossa saúde, família, conduta social, moral, dentre outras áreas em nossa atual encarnação e posteriores. Certamente, serão meios que vão dar forma ao destino, onde os pensamentos, desejos e ações misturam-se, ofuscando os caminhos da perfeição.

Na natureza tudo se transforma, inclusive, catastroficamente, surgindo mudanças inesperadas que acabam influenciando nossas vidas e, seja como for, teremos que administrá-las. Queiramos ou não, precisamos viver e conviver sempre atentos aos fatos e decisões que tomamos, porque o tempo não para, é a ordem dos acontecimentos, uma sequência de fatos, cujos resultados que colhemos vão alterando o nosso destino, conforme nossas opções.

Em suma, o destino será igual e proporcional as nossas escolhas, ações e decisões, tomadas em todas as existências. E Jesus, com sua máxima “A cada um, segundo suas obras”, foi enfático com tal ensinamento, alertando-nos sobre a construção do nosso destino.

João Gubolin

Referências Bibliográficas:
(1) KARDEC, ALLAN. O Livro dos Espíritos. Questões nº 258 a 273.

Nota do Editor:
Imagem em destaque disponível em <http://j.alexandre.pereira.zip.net/images/caminhos-da-vida.png>. Acesso em 09FEV2016.

João Gubolin
João Gubolin

Reside em São José do Rio Preto, interior de SP, onde trabalha como voluntário na Campanha de Fraternidade Auta de Souza na Associação Espírita Allan Kardec e como passista no Centro Espírita Francisco Cândido Xavier. Apaixonado pelo idioma Esperanto, nos últimos anos estuda-o todos os dias e tem participado de vários Congressos acerca da língua.

Deixe aqui seu comentário:

Divulgue seu evento conosco.
É rápido, fácil e totalmente gratuito!

+ Clique e saiba como