Página InicialTextos EspíritasO remédio para nossas dores de cabeça

78 visualizações

O remédio para nossas dores de cabeça

novembro 14, 2015

wellington-balboPor muitos anos sofri com fortes dores de cabeça. Para saná-las ingeria um analgésico. Pronto, resolvido! Entretanto, as dores repetiam-se; duas, três vezes na semana… E dá-lhe analgésicos!

Um dia, cansado disso tudo, decidi ir ao médico. O discípulo de Hipócrates descobriu a causa: hipertensão arterial.

Passei, então, a ingerir o remédio da pressão e nunca mais fui acometido pelas dores de cabeça.

Com certa frequência observo pessoas a chegar ao centro espírita com reclamações de variados males físicos e psíquicos.

Recebem o passe magnético, o atendimento espiritual e retornam aos lares melhores, mais aliviadas. Contudo, semana seguinte retornam perseguidas que estão pelos mesmos fantasmas.

Vejo que, na maioria dos casos os fantasmas nunca mudam, são os mesmos.

É que elas tomam apenas o analgésico, cuidam somente da superfície.

Faz-se fundamental mergulhar a fundo e verificar as causas pelas quais os mesmos fantasmas nos perseguem.

Realizar um tratamento que irá, realmente, liberar-nos daquela prova. E este tratamento chama-se modificação dos hábitos que nos desestruturam.

Sei que não é fácil, sei, também, o quão complicado é sair da zona de conforto e encarar o desafio de frente,  assumindo a responsabilidade que nos compete. Entretanto, para dar um passo à frente essa postura deve ser adotada.

Allan Kardec informa que o Homem é quase sempre o artífice de seu sofrimento.

Com o mesmo raciocínio entendo que se o Homem é construtor da sua infelicidade ele o é da felicidade.

Pode, pois, perfeitamente iniciar o processo de mudança, debelar a causa de seus males e deixar de ser escravo das dores que o afligem.

Apenas um ser que promove a liberdade em si mesmo, não sendo comprometido com o comodismo, escapa do encarceramento proveniente das dores e do sofrimento.

Quero dizer que para mudar é preciso ser livre.

Livre de preconceitos.

Livre de ideias mesquinhas.

Livre da mesmice.

Livre das superstições.

Livre das condutas que nos prendiam ao homem velho.

Portanto, se uma situação costuma repetir-se em nossa vida, se um mesmo problema tem o hábito de procurar-nos, será perda de tempo apenas resolvê-lo.

É imperioso mudar!

Muito mais do que resolução imediata é necessária uma reflexão sobre o porquê aquilo se repete.

E esta reflexão é proposta pelo homem livre, o homem que raciocina e, por isso, capacita-se a entender a causa de seus sofrimentos, habilitando-se, a partir desse conhecimento adquirido a construir sua felicidade.

Encarar a questão, descobrir a causa dos males e mudar são a trinca que nos permitirá livrar-nos das dores de cabeça da existência.

Pensemos nisto!

Wellington Balbo

Nota do editor:
Imagem ilustrativa e em destaque disponível em <http://findyourself.adm.br/wp-content/uploads/2012/04/foto231site2012.jpg>. Acesso em: 14NOV2015.

Wellington Balbo
Wellington Balbo

Professor universitário, Bacharel em Administração de Empresas e licenciado em Matemática, Escritor e Palestrante Espírita com seis livros publicados: Lições da História Humana; Reflexões sobre o mundo contemporâneo; Espiritismo atual e educador; Memórias do Holocausto (participação especial); Arena de Conflitos (em parceria com Orson Peter Carrara); Quem semeia ventos... (em parceria com Arlindo Rodrigues).

Deixe aqui seu comentário:

Divulgue seu evento conosco.
É rápido, fácil e totalmente gratuito!

+ Clique e saiba como