Página InicialTextos EspíritasAbençoada mediunidade!

140 visualizações

Abençoada mediunidade!

julho 29, 2015

francisco_rebouçasA Doutrina Espírita apresenta-nos interessantíssimo trabalho de pesquisa realizada pelo Espírito André Luiz, atuando como verdadeiro repórter da Pátria Espiritual, narrando o resultado de suas experiências vivenciadas ao lado dos benfeitores amigos, relatadas nas diversas obras de reconhecido conteúdo doutrinário, psicografadas pelas prestimosas mãos do mensageiro da vida Maior, Francisco Cândido Xavier, via mediunidade. São tantas as informações, que não há no movimento Espírita alguém que se dedique ao estudo sério e aprofundado da doutrina, que desconheça as importantes e esclarecedoras experiências, por ele presenciadas e narradas nos mínimos detalhes, e contidas nas diversas obras de autoria dessa nobre alma.

Dentre tantos importantes assuntos, podemos destacar a informação da existência da colônia Nosso Lar; a confirmação da existência de outras tantas instituições de socorro na espiritualidade; a narrativa da reencarnação de Segismundo; a beleza da descrição da casa mental, a importância do cérebro, a dedicação de incalculável número de trabalhadores e discípulos de Jesus em franca movimentação na esfera invisível, etc., etc.

Nas suas diversas obras, André Luiz nos faz entender a grandeza da vida na espiritualidade, fazendo uma descrição incomparável das atividades desenvolvidas pelo Ser imortal que todos somos, na continuação da vida do espírito após a morte do corpo físico, na continuidade da existência que jamais cessará. Em suas narrativas, nos mostra as lições ministradas por abnegados servidores do Mestre de Nazaré em elevado patamar de conhecimento e entendimento das Leis perfeitas e imutáveis com que o Criador rege os destinos de seus filhos, deixando transparecer a certeza de que Deus é Soberanamente Justo e Bom.

“Assim, o Espiritismo não aceita todos os fatos considerados maravilhosos, ou sobrenaturais. Longe disso, demonstra a impossibilidade de grande número deles e o ridículo de certas crenças, que constituem a superstição propriamente dita. É exato que, no que ele admite, há coisas que, para os incrédulos, são puramente do domínio do maravilhoso, ou por outra, da superstição. Seja. Mas, ao menos, discuti apenas esses pontos, porquanto, com relação aos demais, nada há que dizer e pregais em vão. Atendo-vos ao que ele próprio refuta, provais ignorar o assunto e os vossos argumentos erram o alvo. (…)” (1)

Por essa razão, é que não podemos concordar com uma enorme percentagem de informações que só trazem referências às anotações contidas nas obras desse benfeitor amigo, quando as mesmas estão em concordância com o que se deseja transmitir do nosso acanhado modo de interpretação para justificar os achismos e modismos praticados em diversas atividades mediúnicas, sem a necessária sensatez e responsabilidade com a correta prática e divulgação dos postulados de nossa novel doutrina. Quem quer que assim proceda, está na verdade, prestando enorme desserviço à nobre causa espírita, espalhando conceitos inverídicos, sustentando opiniões absolutamente equivocadas.

Precisamos “saber como convém” conforme a assertiva do apóstolo Paulo de Tarso, para não nos apresentarmos como conhecedores da mensagem Espírita, quando verdadeiramente não somos ainda sequer bons aprendizes. É chegada a hora de assumirmos em definitivo a postura correta do verdadeiro seguidor do Mestre de Nazaré, reconhecendo os equívocos, e refazendo os conceitos falseados propositadamente ou não, assumindo os possíveis erros doutrinários e desfazendo os absurdos que ocasionalmente tenhamos espalhado irresponsável ou impensadamente, e que se alastram como uma doença contagiosa, produzindo nefastos danos ao correto desenvolvimento das tarefas no âmbito da mediunidade com Jesus.

Não mais percamos tempo com personalismos, não mais insistamos no erro que já identificamos em tudo o que transmitimos aos nossos semelhantes, refaçamos os conceitos, e sigamos as instruções dos Emissários Celestes, que não cansam de nos alertar para que sejamos honestos e humildes, como Jesus sempre exemplificou em todas as suas atitudes para com toda a humanidade.

Francisco Rebouças

Bibliografia:
1 – Kardec Allan, O Livro dos Médiuns. FEB, 36ª edição – Cap. II, item13.
Nota do Editor:
Imagem em destaque disponível em <http://pachaurbano.com/2010/09/nosso_lar_ofilme/>. Acesso em: 28JUL2015.

Francisco Rebouças
Francisco Rebouças

Pós-Graduado em Administração de Recursos Humanos, Professor, Escritor, Articulista de diversos veículos de divulgação espírita no Brasil, Expositor Espírita, criador do programa: "O Espiritismo Ensina".

Deixe aqui seu comentário:

Divulgue seu evento conosco.
É rápido, fácil e totalmente gratuito!

+ Clique e saiba como