Página InicialTextos EspíritasO clamor dos Espíritos

94 visualizações

O clamor dos Espíritos

março 1, 2015

jane-maiolo-300x318Os acontecimentos incomuns ocorridos em Hydesville, vilarejo situado próximo da cidade de Rochester, Estado de Nova Yorque, foi, sem dúvida, o “despertar” de uma parte reduzida da Humanidade para os fenômenos de comunicação com os espíritos. Nascia ali o Novo Espiritualismo (Modern Spiritualism).

A advertência de Jesus a respeito da comunicação dos espíritos consoante narra o evangelista Lucas[1] “Digo-vos que, se estes se calarem, as próprias pedras clamarão”, hoje à luz da Doutrina Espírita, faz-nos precioso sentido, pois  o Mestre aludia que chegado o tempo de nosso amadurecimento espiritual novas luzes se fariam. “Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito.[2] E muito bem anotado pelo vidente de Patmos “Ainda tenho muito que vos dizer, mas vós não o podeis suportar agora.”[3] .

Ao tempo de Jesus os mortos eram colocados em sepulturas abertas nas pedras, a referência de Jesus seria absurda se entendêssemos que Ele estava se referindo literalmente às pedras. Mas, não, na verdade Jesus disse:- Se estes se calarem (os discípulos), os mortos (os que estariam nos túmulos, os espíritos) clamarão. [4]

A comunicabilidade com os espíritos, que são a alma dos homens que viveram na Terra, sempre aconteceu no decurso da História das civilizações, entretanto apenas a partir da década de 1840 aconteceram fatos que despertaram a atenção não só dos homens comuns, mas de todo um “corpo intelectualizado” e aptos a investigação inquietante .

Charles B. Rosma (ou Joseph Ryan), o Mascate assassinado, ao apagar-se do mundo dos homens indicou a perfeita possibilidade de se comunicar com os chamados vivos, anunciando o mundo espiritual e o intercâmbio das criaturas de maneira inconteste. Margareth Fox, a mãe das irmãs Fox indaga-lhe: Você é um espírito? Se for dê duas batidas!

A partir de então mais um véu rompeu-se e as vozes do além nunca mais se calaram. A comunicabilidade entre os espíritos já não surpreende mais. Mas, os apelos dos imortais ainda não são atendidos de forma razoável por nós, criaturas plenamente identificadas com a materialidade da vida e atadas aos grilhões do mundo.

Mentes fixadas em quadros de posses, apegos, desamores, descrenças, sem o menor compromisso com o inevitável “Retorno” à casa do Pai, esquecemos, por diversas vezes, que mergulhamos no mundo da matéria a fim de assimilar e exercitar as lições reparadoras, renovadoras e divinas, objetivando o nosso reajustamento às Leis Imutáveis e sábias de Deus.

Embora alguns de nós reencarnamos compulsoriamente, ninguém fica sem o amparo e a proteção direta e indireta de profundos afetos que do Mundo espiritual velam por nós. Muitos deles renunciam o “Céu” para nos levar ao “aprisco do Pai”. Estão conosco nos momentos da dor, da alegria, das provações e nos testemunhos de fé. Vibram com o nosso crescimento moral e espiritual. Movem as forças celestes a fim de modificar o tônus do nosso sentimento.

Os laços de afetos são os que nos permitem a reencarnação. Sem alguém que nos ame seria quase impossível suportar as provas da vida terrena.

Quantos Benfeitores estão diretamente ligados ao nosso coração e sofrem a cada vez que vacilamos, retardamos ou estacionamos na marcha evolutiva.

As cristalizações mentais impedem que vislumbremos novos caminhos e possibilidades de superação. Estamos sempre cometendo os mesmos erros, vícios e continuamos o mesmo “Homem Velho” não obstante em corpos novos. As cristalizações da nossa mente demoram-se anos para se formarem e impactam o mesmo período de tempo para desconstruí-las.

É certo que com o nosso pensar criamos, projetamos e vibramos emoções variadas e as anomalias de ordem mental derivam do desequilíbrio da alma viciada em ondas menos elevadas de sentimentos. O clamor dos Espíritos continua a ser ouvido por alguns de nós e o convite do momento é de buscar acalmar-se, pacificar conflitos de todas as ordens. Não nos esqueçamos que somos espíritos vivenciando uma experiência na matéria.

É tempo de evangelizar-se e hora de entender: Somos Espíritos!

– Você é um espírito? Se for dê duas batidas.

Soem os tambores, pois aqui estamos a caminho da nossa redenção! Ave Cristo! Os que vão viver eternamente te saúdam!!

Jane Maiolo

Referências bibliográficas:
1- Lucas 19:40
2- João, 14:26
3-João, 16:12-13).
4-Palhano Jr., Lamartine -Meninas do Barulho- A história real das Irmãs Fox de Hydesville.2ª edição revisada e ampliada-Instituto Lachâtre 2013.

Imagem em destaque disponível no site <http://cineinblog.atarde.uol.com.br/?tag=chico-xavier>. Acesso em 01MARÇO2015.

Jane Maiolo
Jane Maiolo

Professora de Ensino Fundamental, formada em Letras e pós-graduada em Psicopedagogia. Dirigente da USE Intermunicipal de Jales. Colaboradora da Sociedade Espírita Allan Kardec de Jales. Pesquisadora do Evangelho de Jesus. Colaboradora da Agenda Espírita Brasil. Apresentadora do Programa Sementes do Evangelho da Rede Amigo Espírita.

Deixe aqui seu comentário:

Divulgue seu evento conosco.
É rápido, fácil e totalmente gratuito!

+ Clique e saiba como